1887
Editorial Open Access
Like 0
This item has no PDF Download

Abstract

O estudo feito por P Stefanoff e collegas [1] levanta dois problemas importantes sobre encefalites transmitidas por carraças (ETC) : a falta de uma definição de casos aceita por todos e a qualidade da vigilância nacional das encefalites transmitidas por carraças. Idealmente, os casos declarados deveriam ser confirmados e os casos clínicos com uma doença do sistema nervoso central (SNC) deveriam ser separados dos casos sem manifestação neurológica. Na Europa, a vigilância da encefalite transmitida por carraças varia segundo os países e não é sempre obrigatória. Os esforços para chegar a um diagnostico, especialmente nas formas menos agudas e nas crianças são variaveis, assim como o consciencia dessa doença em países pouco endémicos. A única base estável e adaptada para uma vigilância nacional são os casos presentando uma doença do SNC confirmada, embora, ao nivel individual, a imunidade ao virus da encefalite transmitada por carraças depois de uma doença febril menos forte tenha um certo valor. A razão entre os casos “sem doença neurológica” e os casos “com doença neurológica” é, aproximativamente, três, mas existem diferenças regionais na virulencia. Não se conhece diferenças associadas com a idade.

Loading

Article metrics loading...

/content/10.2807/esm.10.01.00510-pt
2005-01-01
2017-11-19
http://instance.metastore.ingenta.com/content/10.2807/esm.10.01.00510-pt
Loading
Loading full text...

Full text loading...

/deliver/fulltext/eurosurveillance/10/1/art00510-pt.htm?itemId=/content/10.2807/esm.10.01.00510-pt&mimeType=html&fmt=ahah
Comment has been disabled for this content
Submit comment
Close
Comment moderation successfully completed
This is a required field
Please enter a valid email address
Approval was a Success
Invalid data
An Error Occurred
Approval was partially successful, following selected items could not be processed due to error